Mercenários ao lado de JLO: Mota Liz não é santo. “Ele descorda”

Partilhe

A equipa do portal Factos Diários vem efectuando um trabalho de investigação sobre as possíveis empresas ligadas ao segundo homem da Procuradoria-Geral da República Doutor Mota Liz e como conseguiu os financiamentos da empresa Talizan responsável de outros investimentos desde agricultura, indústria e comércio.


Por Isidro Kangandjo

Informações que o Factos Diários teve acesso, dá conta que o homem destacado para combater a corrupção, não está isento do mal que massacrou o futuro do país e de milhões de angolanos em que, até aqui, encontram-se com o futuro incerto.

Vice-procurador Geral da República, é apontado como sendo o dono de uma torre e um hospital sedeado na capital do país, distrito da Maianga junto a Sagrada Família. Sobre a torre, segundo a fonte, se tornou um escritório de outras empresas assim como o gabinete jurídico. Mota Liz. É apontado como sendo proprietário da fábrica FERTILIS, fábrica de água de marca Atlantis que existe no mercado perto de nove anos.

A fábrica que conta com quatro linhas de produção, entre elas a 0.50, 1.6, 5 litros e 7 litros, os funcionários contam que a fábrica se tornou um autentico violador dos direitos de trabalho e dos direitos humanos, há muitos anos, vêm exigir à entidade empregadora o aumento de salário, seguro de saúde, transporte, alimentação assim como a valorização dos mesmos e apontam o senhor Gabriel Martins de nacionalidade portuguesa de racista. “Já disse para nós que o negro é diabo e o branco é um Anjo e Deus”

Trabalhares alegam que as injustiças que por eles passam é do conhecimento do Vice-procurador, porém, sentem-se preocupados com o silêncio do homem da lei “custa-nos acreditar que a empresa que pertence ao homem da lei, aquele que luta pela igualdade e justiça social dos angolanos não consiga resolver o problema da minoria”, fez saber Zacarias António Manuel.

Além da empresa de água, o Factos Diários apurou também uma empresa de venda de materiais de agricultura mecânica de nome Agrale. Segundo as informações que tivemos acesso, pertence ao procurador em parceria com brasileiros e portugueses.
A questão que se coloca é como foi possível o Vice-procurador conseguiu constituir empresas assim como a origem dos recursos.

VICE-PROCURADOR ESCLARECE SOBRE O ASSUNTO

Falando ao Factos Diários na tarde de sexta-feira, 09, Mota Liz afirma que as empresas mencionadas não é propriedade pessoal mas sim familiar, sobre a Fertilis conta que embora que a sua família tenha lá interesses, a fábrica conta com o apoio de uma empresa portuguesa que é sócio maioritário e a sua família através da empresa TALIZAN tem uma participação minoritária.

Doutor Mota Liz conta que Agrale, empresa ligada à comercialização de materiais agrícolas não é dele, pertence a uma fábrica brasileira que vendiam os seus equipamentos “infelizmente acabou por não ter muito sucesso, nesta altura, de acordo com as informações de uma família que acompanha os investimentos, estão sem dinheiro para pagar a renda do espaço”, disse o Procurador.

Sobre a origem do dinheiro, Vice-procurador, enquanto família, conta que os interesses da família que estão na fábrica, foi possível graça a um financiamento do Banco de Poupança e Crédito (BPC) e encontra-se tudo documentado. “Os investimentos criados pela minha família, foram todos feitos com recursos ao crédito e estão todos pagos e todos documentados”, esclareceu.

Mota Liz justifica também, quer o hospital e o edifício ambos localizados na Sagrada Família não é dele e nem da sua família, por isso, desconhece o principal proprietário senão a torre que pertence aos empresários portugueses que por sinal são sócios da família Liz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Translate »