TERMINARAM OS MIMINHOS: MPLA traça estratégias para acabar com Bento Kangamba

Partilhe


O partido MPLA vai mostrando aos poucos que, na política, não existe aliados permanentes e Bento dos Santos Kangamba é a prova de que o MPLA de João Manuel Gonçalves Lourenço não pretende congregar figurinos políticos de conto de fada criado pelos bajuladores.


Por redação do Factos Diários


O General que lhe foi ofertado o cargo de Secretário para Organização e Mobilização Periférica e Urbana do Comité Provincial de Luanda em 2009, por orientação de José Eduardo dos Santos então Presidente da República e do partido MPLA, vai aos poucos conhecer a sua queda política por ser um elemento que terá cometido vários crimes, porém ser ileso por ter sido, na altura, filho do poder.


Kangamba: de empresário da juventude para o rei das lamentações


A substituição de governo no país em 2017 mostrou claramente que Bento Kangamba não é a figura que o governo de José Eduardo dos Santos nos acostumou. Com o MPLA de JLO, o empresário da juventude tornou-se o rei das lamentações e promete encerrar a sua equipa por causa da pressão da FAF e das dívidas acumuladas com os jogadores que por lá passaram bem como com os treinadores.

Segundo o correios da Kianda, no espaço de duas semanas, a Federação Angolana de Futebol (FAF) puniu o Kabuscorp do Palanca com a subtracção de seis pontos no Girabola, por incumprimentos contractuais, nomeadamente para com o treinador português Paulo Torres e o seu adjunto Rui Oliveira.


Em julho de 2021, a FAF deu razão a Paulo Torres, que reclamava do Kabuscorp uma dívida avaliada em 29,3 milhões de kwanzas (cerca de 38 mil euros), mais 2.000 euros.


O clube deve também pagar seis milhões de kwanzas (cerca de 7,8 mil euros) ao preparador físico português Rui Oliveira. O clube angolano tem inúmeras dívidas por acertar com ex-treinadores e jogadores há já vários anos.


Em 18 de fevereiro de 2022, a FAF proibiu o Kabuscorp do Palanca de inscrever novos jogadores por incumprimento contractual com o Sérvio Zaran Maki, que treinou o clube entre 2012 e 2014, depois de já ter retirado três pontos à equipa, em Janeiro do mesmo ano, também por incumprimento contractual com o antigo guarda-redes José Delgado ‘Elber’.


Em 2019, após intervenção da FIFA, a equipa do empresário angolano Bento Kangamba foi despromovida à terceira divisão do futebol angolano, por incumprimento contractual com o futebolista internacional brasileiro Rivaldo, bem como com o congolês Trèsor Mputo.


Bento Kangamba em ciclo apertado


No período em que Bento Kangamba esteve posicionado na lista dos filhos do poder em Angola, por ter se casado com uma das filhas de Avelino dos Santos, filha do irmão mais velho de José Eduardo dos Santos, várias questões financeiras eram ultrapassadas em circuito fechado, aliás, Kangamba informou aos angolanos que estava a gastar na altura o dinheiro dos avôs.


Enquanto simpatizante dos filhos do poder, Kangamba teria falsificado documentos da Direção Logística do Estado-Maior, de forma a obrigar o Exército Angolano a cobrir a diferença e foi condenado por burla, falsificação de documentos e conduta indecorosa através do acórdão do Tribunal Supremo Militar 2/98 de 27/10/2000 e essa conduta ter-lhe causado a expulsão imediata do Comité Central do MPLA e reapareceu na vida política partidária em 2009.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Translate »