SOBRE ÁFRICA: Condenação de Mandela foi superada por Simon Kimbangu

Partilhe

O líder da Igreja Kimbanguista da ala 26=1, Sua Grandeza Kisolokele Kiangani Paul, em alusão os 100 anos de existência da sua denominação no dia 06 deste mês, disse, durante o culto, que Nelson Mandela, antigo presidente da África do Sul, não é o primeiro africano que ficou mais tempo na cadeia e sentiu-se triste por que razão a África não repõe a legalidade.


Por Isidro Kangandjo

Simon Kimbangu, nascido no dia 12 de Setembro de 1887 em Nkamba, República Democrática do Congo, no início da década de 1920, enquanto era procurado por centenas de fiéis em busca de cura, foi acusado de incitação à desordem pública. Julgado por um tribunal de guerra, e sentenciado à morte. Sua pena foi comutada em prisão perpétua e, permaneceu por trinta anos e um mês no cárcere das autoridades coloniais até a sua morte em 1951. Segundo o historiador belga, van Reybrouck, Simon Kimbangu nunca cometeu um único acto de violência.

Este movimento religioso, liderado na altura pelo seu fundador Simon Kimbangu, pregava, sociologicamente, um novo modelo de autoridade social, religiosamente, o amor de Deus através da mediação de símbolos africanos, psico-culturamente e o fim da denominação colonial branca em África.

Já Nelson Rolihlahla Mandela em 1962, foi condenado 27 anos e foi liberto em 1990, depois de uma campanha internacional, enquanto recrudescia a guerra civil em seu país.

PUBLICIDADE NO FACTOS DIÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Translate »