NFulupinga Nlando Victor foi assassinado há 16 anos pelo regime Eduardista

Partilhe

Presidente fundador do Partido Democrático para o Progresso- da Aliança Nacional Angolana, PDP-ANA, foi assassinado em Luanda no dia 02 de Julho de 2004 por elementos ligados ao regime de José Eduardo dos Santos.

Por Isidro Kangandjo

Ocorrido há uma década e meia, a justiça angolana mostra-se foragida em responsabilizar os actores. O silêncio das autoridades preocupa o Secretário-geral do PDP-ANA, Eng. Zissala Pululu.

“Nós estamos em paz há 18 anos e num período de dois anos de paz, perdemos um quadro Nacional. O que nos preocupa é a morosidade do governo na resolução do processo, porque, já se vão 16 anos. Não queremos entrar em guerra com a justiça mas ela deve fazer alguma coisa de forma célere na resolução desse problema porque o povo quer saber a verdade”, disse.

O político que falava hoje, 02, no portal Factos Diários, diz que a homenagem que o Presidente da República efectuará em relação aos políticos que morreram nos anos 1975-2002, deveria ser abrangido para o ano 2004 uma vez que se trata do ano em que morreu o pai da matemática angolana e Presidente do PDP-ANA.

Sobre o andamento do Partido deixado pelo Nlando Victor, é um outro problema que os militantes pretendem resolver com a máxima urgência para tirar o partido no fundo do poço.

Zassala M. Pululu, Secretário Geral do PDP-ANA

“O partido trabalha com passos de camaleões Porque a direcção que temos não é o que esperávamos”, disse o entrevistado, por outro lado, “presenciámos gestão danosa, o não respeito pelos militantes, a exoneração anárquica e, isso fez com que encaminhamos um processo judicial junto do Tribunal Constitucional e Tribunal de Contas”, revelou.

Segundo o Político, os Oitos milhões e meio que o partido recebe trimestralmente, tem tido destino incerto e nunca serviu para o benefício do Partido, por isso, queixam-se diante do Tribunal de Contas para se repor a legalidade da coisa pública.

Actual Presidente do PDP-ANA, Simão Makazu, foi apontado de ser o todo-poderoso e causador da queda política do partido pelo facto de não disponibilizar verbas para a realização das actividades dentro e fora de Luanda.

“Na regra, quem deveria gerir o dinheiro é o secretário para as finanças, mas, no Partido, temos o Presidente, Secretário para a Organização e o Financeiro que controlam tudo onde o líder do desvio consta o Presidente Simão Makazu”, avançou.

O portal vai amanhã trazer o desenvolvimento do assunto e o envolvimento do político Simão Makazu assim como a sua versão.

DE LEMBRAR QUE…

MFulupinga Nlando Victor nasceu na Província do Uíge, aos dia 15 de Dezembro de 1944, no município de Maquela do Zombo, esteve exilado no então Congo Leopoldville devido à repressão colonial, dedicando-se aos estudos e a mobilização dos estudantes angolanos no exterior do país, onde mais tarde foi eleito presidente dos estudantes angolanos universitários na RDC.

Regressou a Angola após a independência (1975), e pertenceu ao Conselho Directivo Provisório da Ordem dos Engenheiros.

Mfulupinga Victor criou um grupo de reflexão que veio a culminar, aos 17 de Março de 1991, com a constituição do PDP-ANA, onde exerceu o cargo de presidente do partido. Era professor titular da Universidade Agostinho Neto, onde lecionou a disciplina de Matemática e ainda exerceu os cargos de chefe de departamento de matemática na faculdade de economia da universidade agostinho neto e chefe de departamento de matemática e engenharia geográfica na faculdade de ciências da universidade agostinho neto. Depois de fundar o PDP-ANA, onde desempenhou o cargo de presidente, foi eleito para deputado na Assembleia Nacional nas legislaturas de 1992 a 1996 e 1996 a 2004, foi membro da 6ª Comissão e do Conselho da Republica.

Mfulupinga Nlandu Victor foi assassinado no dia 2 de julho de 2004, numa sexta-feira, em Luanda, horas depois de ter participado de uma reunião do Conselho da República, órgão de que era membro, por um grupo de elementos até aqui desconhecidos. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »