Escândalo de terra no Sequele deixa camponeses sem lavras por culpa de peixes grande

Partilhe

 Por: Arlindo Kanoela.

 De acordo com os camponeses que denunciaram, ao Factos Diários, na manhã desta quarta feira,19, acusaram o presidente da Associação dos Camponeses identificado por apenas de “tio Lito” e os responsáveis da Comissão de Moradores local de venderem as parcelas de terras em convenio com um grupo a que os denunciantes chamaram de invasores e altamente perigosos por agirem à margem da lei visto que o processo está em curso no Tribunal.

O espaço de aproximadamente 1 hectare, que, já é desbravado pelos camponeses desde 1983 no distrito urbano do Sequele ao município de Cacuaco, tem gerado conflitos desde 2009, quando, uma suposta empresa chinesa tomou para exploração de área e pedrinhas em negociação com os camponeses em troca de alguns valores não especificado, acordo este que não foi cumprido pela suposta empresa, referiram os lesados.

Ao decorrer de alguns anos a “Casa Militar” do presidente da república em 2015, tomou as terras, no entanto, os homens da enxada desapontados com a situação constituíram um advogado que junto do Tribunal municipal de Cacuaco abriram um processo.


“Até agora, o elenco da Associação dos Camponeses e alguns elementos nomeadamente o senhor Nune, Zé Media e a senhora Mariana e outros da Comissão de Moradores estão a vender os espaços no valor de 400 mil, 300 mil, mesmo quem tem 250 mil kwanzas é vendido o terreno, mas isso é muito mau porque o processo está em andamento na justiça. desabafou”. A nossa equipa de reportagem deslocou-se a Comissão de Moradores onde sem gravar entrevista o responsável esclareceu que desconhece a situação e atirou a culpa ao presidente da Associação dos Camponeses Nune.
Já, o número dos homens do campo Negou categoricamente o seu envolvimento no referido problema. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »