PONTE DA QUIRIMA: Ministério da Construção e INEA terão engolidos mais de 298 milhões de kwanzas

Partilhe

Bairros Quirima, Massangala, Muculo, Gundange, Kossari, Kapunga e Salvador, cada um deles com mais de mil quinhentos habitantes, estão interditados por causa de uma ponte destruída em 1992. Apesar das muitaz mortes registadas no local, as autoridades angolanas simplesmente promentem, orçam a obra, convidam empreteiros, mas, depois de tudo isso, a situação continua na mesma, a taxa de mortalidade no local, sempre a aumentar.


Por Isidro Kangandjo

A nossa equipa de reportagem esteve ontem no bairro Quirindo, comuna das Mabubas, Município do Dande, província do Bengo, para acompanhar o sacrifício de mais de 10 mil habitantes que sacrificam as suas vidas todos os dias na canoa artesanal. Apesar do Ministro da Construção e Obras Públicas, através do plano de salvação de estradas de ter disponibilizado em Junho de 2020, 298 milhões de kwanzas para intervenção da ponte sobre o rio Dande-Quirima tendo como dono da obra o Instituto de Estrada de Angola com uma duração de seis meses, infelizmente continuam em estado de abandono, ou seja, limparam a via mas não levaram nenhum material.

“Os nossos mais velhos estão a pedir a composição da ponte desde 1993, mas, de lá para cá, nunca deram resposta. Em Junho de 2020, tivemos uma luz verde quando o INEA trouxe os Chineses para o reinício das obras, trabalharam alguns meses na limpeza da estrada que dá acesso ao bairro, infelizmente não chegaram a construir apesar de ter tido, na altura, um orçamento”, disse Agostinho Domingos Simão, Presidente da Comissão do Bairro.

Segundo informações que tivemos acesso através de pessoas próximas do governo provincial do Bengo, a obra teve dois orçamentos, o primeiro da responsabilidade do Ministério da construção e Obras Públicas de 298 milhões de Kwanzas e, depois de alguns meses mereceu do bolo do Orçamento Geral do Estado 144 milhões de kwanzas.

 

Presidente da comissão de moradores do Quirima

Os moradores, afirmam que já escreveram duas cartas desde 2019, porém, a Governadora provincial nunca teve oportunidade de receber.

FALTA DA PONTE NO QUIRIMA AUMENTA A TAXA DE MORTALIDADE NA PROVINCÍA DO BENGO

O coordenador Agostinho Domingos Simão, confirma que o espaço de travessia vem matando muita gente por afogamento. Segundo o dirigente administrativo do bairro, pelo menos todos os meses duas pessoas morrem por afogamento. Tendo em conta essa situação, os serviços de protecção civil e bombeiros realizaram no dia 30 de Janeiro uma palestra relacionada com a forma como os aldeões deveriam usar o rio Dande.

Apesar da palestra ser interessante, os moradores pedem a colocação da ponte como solução de todos os problemas. Para construir uma casa nas aldeias referidas no lead, é preciso ser forte financeiramente, aliás, uma carada de areia que custa no Bairro Panguila 30 mil kwanzas, para o bairro Quirima o automobilista pede 70 mil kwanzas por causa da volta que dista 35 km.

Até ao certo, não se sabe quem terá gasto os valores que estavam na responsabilidade do Ministério da Construção e obras públicas e INEA. O Factos Diários contactou uma fonte influente do governo provincial e este garantiu que a obra em referência pertence ao governo central e aguardam dos acertos finais para a execução da obra.

A fonte, apesar de não avançar a data, garante que ainda este ano será possível a empresa Sinohydro Corporation Limitada Sucursal Angola retomar os trabalhos adiados quase há um ano.

PUBLICIDADE NO FACTOS DIÁRIOS

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »