“João Lourenço, a sua esposa e o seu pelouro têm fortunas lá fora. Como conseguiram?”

Partilhe

Doutor Sapalo António, Político do PRS e docente Universitário, foi o convidado da grande entrevista no Portal Factos Diários onde deu a sua visão sobre o estado do país e as políticas exercidas pelo Executivo de João Lourenço, Presidente da República de Angola.

Falando nesta quarta-feira, 26 de Agosto do ano em curso, revelou que o Presidente Lourenço e a sua esposa têm fortunas fora do país e conseguiram fruto do desvio do dinheiro público.
“Como de sempre, o MPLA continua com uma governação negativa e a situação económica, social e política, continua grave e espero que a sociedade reflita porque falta pouco tempo para mais um desafio eleitoral e espero que não venha a ser semelhante ao de 2017 que o MPLA utilizou todas as forças para chamar a vitória a si”.

Por Isidro Kangandjo

FACTOS DIÁRIOS: Faltam poucos dias para o Presidente João Lourenço completar três anos de governação. Que balanço faz?

SAPALO ANTÓNIO (SP): Devo começar dizer que o MPLA é um partido comunista, e todo o seu militante segue o perfil comunista e que o resto são ênfases que vai fazendo carrinhos. Não há diferença em termo de perfil político entre o Ex. Líder José Eduardo dos Santos e João Manuel Gonçalves Lourenço porque todos se orientam pela ideologia comunista.

Do ponto de vista de governação, podemos medir e avaliar a mesma no modo de vida dos angolanos. Através de níveis de crescimento do país. Nessas duas vertentes, a governação de João Lourenço está reprovada. Está reprovada porque o crescimento é quase nulo, segundo, há uma grande desvalorização da moeda nacional que depreciou o poder de compra, quer dizer que o dinheiro perdeu o seu valor e o modo de vida degradou-se, não por forças externas mas sim pela incapacidade política e económica da governação construir caminhos, tomar medidas políticas e económicas para o desempenho macroeconómico que possa alavancar o desenvolvimento do país. O resultado da governação de João Lourenço é negativo.

FACTOS DIÁRIOS: O que tem a dizer sobre a nomeação da filha do Chefe Estado?

SP: O Presidente João Lourenço, na sua tomada de posse, utilizou, além de combate à corrupção, o nepotismo foi uma das bandeiras, ele disse isso porque reconheceu que o nepotismo é que caracteriza o MPLA principalmente na vigência de José Eduardo dos Santos.

Infelizmente, a ideia não passou apenas de um discurso, a ideia era enganar a sociedade mas a tradição Tchokwé diz o seguinte “a pessoa deita só aquilo que leva na mão, aquilo que leva no coração a pessoa nunca deita”. Essas características do MPLA não são artificiais, são natas, fazem parte do procedimento para a garantia do poder.

O MPLA continua a ser MPLA, José Eduardo dos Santos foi nepotista e João Lourenço continua a ser um nepotista porque o nepotismo caracteriza o MPLA.

FACTOS DIÁRIOS: As pessoas quer as instituições, mudam. Isso não pode acontecer com o MPLA?

SP: Tenho dito e repito, o militante do MPLA pode ser pessoa mas nunca é humano. Individuo do MPLA se caracteriza pela Mentira, não é honesto, é corrupto, é oportunista, é egoísta e violento. É isso que caracteriza a escola MPLA. Quem no MPLA não reunir esses requisitos, quem socialmente é humano, não é aceite pelo partido porque não tem vocação para fazer o mal.

FACTOS DIÁRIOS: O senhor considera o MPLA como uma organização que visa apenas prejudicar o povo?

SP: O MPLA é uma máfia, é uma organização de máfia que visa maltratar qualquer adversário Político. Que se engane aquela que acredita em uma palavra do MPLA.

FACTOS DIÁRIOS: Não estás sendo pessimista?

SP: Não é isso, apenas estou ser realista, estou alertar aqueles que não conhecem o verdadeiro perfil do MPLA.

FACTOS DIÁRIOS: José Eduardo dos santos dirigiu o país durante 37 anos e João Lourenço exerceu várias funções no seu mandato. Não achas que o mesmo contribuiu na má governação do seu cessante?

SP: Todos do MPLA que falam mal de José Eduardo dos santos não tem outra palavra senão delinquentes. Falo a partir do próprio Presidente João Lourenço até a base. Aquele que fala mal e perseguem José Eduardo dos Santos e a sua família, são delinquentes, não têm vergonha e são hipócritas.

O que está acontecer no MPLA sobre liderança de João Lourenço, é a procura de imagem, lavagem de todos os erros e crimes que andaram a cometer para dar credibilidade nos próximos desafios. Nesta altura, actual presidente da República está a sacrificar José Eduardo dos Santos e a sua família associando-se também a vingança.

Durante a vigência da governação de JES, todos eles constituíam uma corrente forte para a defesa de José Eduardo dos Santos e do próprio MPLA, a oposição e sociedade civil, foram maltratadas e muitos perderam a vida por criticar a governação passada.

Na governação de JES, nunca ouve erros, foi sempre uma governação correcta, inclusive o próprio MPLA admitia as pessoas criticarem o MPLA e não José Eduardo dos Santos. A partir de João Lourenço até antigos administradores, foram e continuam cúmplices de todos os problemas que Angola vive.

FACTOS DIÁRIOS: Como explica isso?

SP: É muito simples. Será que foi José Eduardo dos santos e a sua família que foram nas administrações municipais, governos provinciais e nos ministérios roubar? Vamos falar de intolerância política. José Eduardo dos Santos e a sua família iam nas aldeias torturar militantes de outros partidos a nível nacional? O problema está no MPLA. Em todas as instituições havia e continua a existir discriminação por razões políticas. Foi José Eduardo dos Santos e sua família que andavam nos gabinetes para escolher quem deve e quem não deve trabalhar? Acham que apenas JES e a família roubaram o dinheiro de Angola?

FACTOS DIÁRIOS: Na sua visão, para além da família dos santos, quem se apoderou do fundo público?

SP: João Lourenço, a sua esposa e o seu pelouro têm fortunas lá fora… como conseguiram esse dinheiro? João Lourenço tem grandes empresas e parcerias no Banco SOL e nas outras instituições bancárias, como conseguiu o dinheiro para constituir empresas? Associo isso a todos os militantes do MPLA de alto nível, ninguém é pobre, têm fortunas fora do país.

FACTOS DIÁRIOS: João Lourenço não é pobre?

SP: Não! Ele não é pobre e o que precisamos, enquanto angolano, é saber como conseguiu esse dinheiro todo. A maioria do MPLA são gatunos e sobrevivem do roubo.

FACTOS DIÁRIOS: Se ele é rico, o seu rendimento não pode resultar da poupança do salário que recebia enquanto Ministro da defesa?

SP: Se assim fosse, eu também deviria ter riquezas. Venho trabalhando há muitos anos e, se todos os angolanos dependessem do salário para singrar na vida económica, todos nós deveríamos ter riquezas fora do país.

Todos eles, incluindo João Lourenço, são gatunos e as suas riquezas são provenientes do roubo. todos aqueles que exerceram funções na era de José Eduardo dos Santos, ninguém é pobre.

FACTOS DIÁRIOS: Neste caso o senhor não se revê no combate à corrupção?

SP: O que acontece é que os partidos políticos com um sistema comunista, pegaram esse mal que construíram conscientemente para servir como bandeira eleitoral. O combate à corrupção foi uma falsa porque o gatuno não se auto combate. Se fosse um combate sério, MPLA desaparece e a história do partido de Mobutu iria de se repetir aqui em Angola.

Não estamos sendo transparentes para se combater esse mal. O MPLA como organização política, é um partido gatuno, em termo de roubo é um actor moral e actor material. Os dirigentes do MPLA são ricos através do desvio do erário público. Os gatunos só lutam quando há injustiça na divisão do bem roubado. É isso que está acontecer entre José Eduardo dos Santos e João Lourenço.

FACTOS DIÁRIOS: Está quer dizer que entre eles alguém roubou mais?

SP: O governo de JLO, além de quer utilizar JES como um panfleto de propaganda política e tentar imputar a responsabilidade de todos os males cometidos pelo MPLA ao longo da história, há outros problemas interno que está a resultar em vingança.

FACTOS DIÁRIOS: Suspeitas que as forças de segurança e os dirigentes dos órgãos de justiça participaram no saque do erário público?

SP: Não tem como não participar na festa que desgraçou o país. Os comandantes e oficiais da Polícia Nacional, os dirigentes e oficiais dos Serviços de Inteligência, os governadores, os dirigentes e oficiais do exército, os Magistrados Judiciais e do Ministério Público, contribuíram porque eram estimuladores e protectores no saque dos bens público e na promoção da injustiça em todos os domínios.

Se notares, a Procuradoria-geral da República está a selecionar pessoas. Estão a escolher no rosto, o perfil e nunca na causa porque se o combate ao roubo fosse generalizado, o MPLA desapareceria e o próprio MPLA e os seus militantes sénior, estariam no Tribunal incluindo o próprio João Lourenço.

FACTOS DIÁRIOS: Avançou aqui sobre questões do MPLA, o senhor acha que temos uma oposição santa?

SP: Nunca uma oposição deveria ser corrupta, quando o líder de um partido na oposição é corrupto, esse enfraquece a própria oposição, decepciona a sociedade e este nunca pensa em alcançar o poder ou contribuir na transformação do país para momentos benéfico para a sociedade.

Um que se diz ser opositor mas é corrupto, esse não é político, é politiqueiro porque a política é uma ciência para o bem.

FACTOS DIÁRIOS: Não existe na oposição comerciantes políticos e corruptos?

SP: Prefiro não avançar se existe ou não, a verdade é que tem havido determinadas acusações, mas devemos ter cautela porque não temos provas. Preciso aqui dizer que a corrupção enfraquece e quem se inclinar nela, esse partido não vai longe.

FACTOS DIÁRIOS: Será que os partidos na oposição estão a trabalhar para os próximos desafios?

SP: Nesse momento, considero que a melhor oposição é o cidadão, ele é o dono do poder e é a ele em que a governação é dirigida. Quem sente os efeitos da governação é o próprio cidadão, logo, o primeiro opositor é o cidadão. Nesse caso, quem deve estar preparado e acho que está preparado para os próximos desafios político é o próprio cidadão.

Os cidadãos sabem que é preciso entregar a governação para novas pessoas e novo partido no destino do país.

FACTOS DIÁRIOS: Entre o APN, FNLA, PRS e CASA-CE quais deles poderão ser extinto em 2022?

SP: Aqui é preciso saber que estamos num país em que os resultados eleitorais não resultam da vontade do povo. Ao dizer quem vai ser extinto, estamos a dizer quê partido o MPLA poderá eliminar.

Deixe que esses partidos e outros que estão para serem legalizados permaneçam. O MPLA nos próximos pleitos eleitorais deve ir na oposição. Esta é a resposta correcta porque o povo não elimina nenhum partido político porque cada partido é um conjunto de militantes, por isso, essa possibilidade dos eleitores eliminar partidos é nula.

O MPLA nunca Ganhou pelo voto popular, o MPLA se atribuiu sempre os resultados elevado através de fraude e, por conseguinte, atribui os resultados aos outros. Neste momento, o opositor é o povo e esse deve estar preparado para mandar o MPLA na oposição.

Os partidos políticos na oposição devem unirem-se contra o MPLA, a situação da Biolo-Rússia e do Mali, deve acontecer aqui também.

FACTOS DIÁRIOS: O senhor é favor do golpe de estado?

Sim e explico o porquê. A própria ciência, existe uma figura que diz “desobediência civil”. No ponto de vista teórico e constitucional do Estado, é detalhada em termo de manifestações. Essa é uma ferramenta científica e universalmente aceite como uma arma nas sociedades contra os regimes injustos, por isso, ninguém deve condenar.

FACTOS DIÁRIOS: Angola um dia poderá chegar nesse extremo?

SP: Angola deve chegar nesse extremo. O governo do MPLA condenou sem lógica o golpe no Mali porque os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, são independentes graças ao golpe do Estado, logo, João Lourenço não deve condenar o golpe. Os países do PALOP não tiveram a sua independência porque pegaram nas armas e catanas, é uma pura mentira. Tivemos a independência graças ao golpe dos militares portugueses.

 

Não há ninguém capaz de vir discutir isso comigo porque mesmo o João Lourenço é miúdo na política, ele entra em 1974 e eu entrei em 1969. Não há ninguém no MPLA está em condições para falar sobre a política comigo. Podem ser os meus mais velhos na idade mas em termo de fundamentos políticos são caloiro. Daí, é uma aberração alguém condenar o golpe de estado no Mali.

O regime de Salazar foi destruída por causa da ditadura e agora pergunto: em Angola não há ditadura? Não existe injustiça?

Os partidos de orientação comunista, nunca aceitam alternância política, nunca ouvem a voz do povo, por isso, os nossos militares aqui, se durante muitos anos foram enganados para defender o MPLA, hoje, o nosso exército tem jovens com uma outra mentalidade, o golpe é um instrumento para qualquer país corrigir o mal.

FACTOS DIÁRIOS: O senhor não está a incentivar os militares seguirem o exemplo do Mali?

SP: Eles sabem que foram usados para fins do partido e não do Estado, agora devem derrubar o MPLA, qual é o problema? Os erros e os crimes que o MPLA praticou nesse país, deve ser compensado com golpe. Nós queremos dar um outro ar ao país, uma verdadeira democracia, estabilidade, inclusão e abrirmos novos caminhos para o progresso do país, o golpe é recomendável, necessário e urgente.

FACTOS DIÁRIOS: Qual é a sua visão sobre a Pandemia que assola o país?

SP: O MPLA está utilizar Covid-19 para interesses partidário. Desde o mês de Fevereiro até o mês de agosto, estamos a falar de 2332 casos confirmados e 103 mortos, num universo de 30 milhões de habitantes não é nada.

Se nós compararmos os mortos pela Covid-19 e os mortos por outras epidemias, veremos que morreram centena e centenas de pessoas com outras doenças em detrimento o Covid-19, o governo deveria se preocupar com as doenças que estão a matar muitos angolanos. O Governo do MPLA aproveitou a pandemia para adiar determinadas realizações e justificar o fracasso da sua governação. O exemplo está nas eleições autárquicas que não terão lugar esse ano.

FACTOS DIÁRIOS: Qual é a mensagem que gostava de deixar aos cidadãos?

SP: Para os cidadãos, não devemos nos preocupar com a militância, devemos nos preocupar com o exercício da cidadania porque o melhor do país e para o país, não depende de militância, depende do exercício da cidadania. Significa que, nós devemos ter vozes para os cidadãos, a nossa defesa deve ser forte e temos que ter a consciência de que a mudança é sinónimo de desenvolvimento. O MPLA provou aos angolanos que na governação ele não merece.

Se irmos nas eleições para o MPLA se atribuir os resultados, então teremos que usar todos recursos constitucionalmente consagrado para cartão velho e os nossos militares devem estar do lado da razão que é o país e o seu povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »